Erick BretasFollow

Há um problema substantivo e outro semântico nessa reportagem publicada hoje pela Folha.

Começo pelo semântico.

A manchete do jornal impresso é “Empresas bancam disparos de mensagens anti-PT nas redes”.

O título da página interna da edição digital é “Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”.

“EMPRESAS” e “EMPRESÁRIOS”, no plural, são termos que criam a noção de uma ação coletiva e possivelmente coordenada. Fernando Haddad falou em “quadrilha” de empresários ao sugerir que a eleição pudesse ser anulada.

Acontece que a manchete do jornal não é sustentada pelo que diz o texto da reportagem.

Eu li a matéria duas vezes. Ela só cita nominalmente UMA possível compradora do envio de mensagens:

“A Folha apurou que cada contrato chega a R$ 12 milhões e, entre as empresas compradoras, está a Havan.”

Todas as demais empresas citadas na reportagem — Quickmobile, Yacows, Croc Services e SMS Market — são prestadoras de serviço. Recebem para mandar mensagens, não pagam.

É improvável que a Folha tenha provas de que outras “empresas”, assim no plural, estejam envolvidas num grande esquema orquestrado para interferir nas eleições e tenha decidido não nomeá-las.

Se fizesse isso, estaria protegendo Bolsonaro e os empresários envolvidos na ação criminosa.

O que temos então é a possibilidade de que a Folha só tenha provas de que *uma* empresa pagou pelas mensagens de WhatsApp e, por alguma razão, os editores teriam decidido meter um plural nos títulos e na manchete do jornal.

Isso já não seria um problema trivial, mas a coisa pode ser pior. E aí vamos à questão substantiva.

A denúncia de que um número não sabido de empresários estaria desembolsando até R$ 12 milhões, cada um, para interferir na eleição é seriíssima.

Se for provado que há conluio entre esses supostos financiadores do “Caixa 2 do Bolsonaro” e a campanha do candidato, as consequências seriam graves — levando até à impugnação da chapa, como sonha a campanha do PT.

Quanto mais grave uma denúncia jornalística, quantos mais profundos e duradouros seus efeitos, maior a necessidade de respaldá-la com provas e indícios: uma página de contrato, uma reprodução de e-mail, uma testemunha crível. Nada disso aparece na reportagem de hoje.

O ônus da prova sempre cabe a quem acusa — e a Folha não apresentou *nenhuma* prova ou sequer indício de que empresários tenham agido orquestradamente para prejudicar o PT.

O que a reportagem consegue provar é muito pouco: por exemplo, que a campanha de Romeu Zema contratou da Croc Services o disparo de mensagens para a base administrada pela própria campanha do candidato — o que é legal e foi declarado ao TRE, como esclarece a própria reportagem. E para fazer campanha A FAVOR de Zema, não CONTRA o PT, como dizem os títulos da Folha.

A reportagem diz ainda que teve acesso a e-mails da empresa oferecendo também o disparo para uma base própria — o que é ilegal — mas não esclarece para quem a oferta foi feita nem se o serviço chegou a ser contratado.

—-

Eu acho o problema da falta de controle sobre a disseminação de mensagens falsas no WhatsApp sério e acredito que a empresa poderia fazer mais para combatê-lo. Está aí o exemplo do linchamento na Índia para provar que correntes e fakes transbordam para a vida real com consequências graves.

Mas está havendo uma clara tentativa de transformar o aplicativo no bode que vai expiar os erros do PT nessa eleição.

Como sabe qualquer usuário, quem é incluído contra a vontade num grupo de Zap tem a opção de sair imediatamente.

As pessoas só aceitam ficar em grupos com os quais tenham algum tipo de conexão e dos quais aceitaram participar de forma voluntária.

É nesses ambientes que se dá a troca de mensagens falsas — quase sempre por ação espontânea do remetente.

A ideia de que uma grande linha industrial de fake news controlada por empresários inescrupulosos tenha tomado o controle dos smartphones dos brasileiros e transformado os eleitores em marionetes mistura um tiquinho de fantasia com um muito de malandragem e prepara o terreno para a narrativa petista pós-derrota.

Mas isso é o estado normal de coisas no petismo. O preocupante é quando o jornalismo independente compra esse discurso.

Ou pior ainda, dá munição a ele.

EDIT: Saiu a edição da Folha de sexta-feira. Assim como a de quinta, ela não traz documentos que substanciem a denúncia. Não consigo pensar em outra explicação para o fato que não esta: as provas simplesmente não existem.