Proselitismo ideológico, mentiras e incitação ao ódio entre os cidadãos é o que oferece o jornal O Globo, e não isenção e precisão, que são fundamentos do jornalismo.

 

Paulo Storiani, capitão do Bope falou especificmente sobre o assassinato de Marielle Franco, mas suas críticas aplicam-se nas coberturas da imprensa em geral:

“É estarrecedor o embate nas redes sociais, em uma era de informação profusa e prolixa. Nunca houve tanta ignorância. Estamos trocando sabedoria por informação. Se de um lado presenciamos a sanha vergonhosa por transformar uma perda irreparável em bandeira ideológica, do outro, verificamos a tentativa imoral de desqualificar virtudes e criar pecados. Estamos nos especializando em fomentar o ódio, que nos levará ao centro da arena de um Coliseu qualquer, enquanto os senhores, que fomentaram esta guerra fratricida, se embriagarão como vinho de sua corrupção moral.

 Perdemos a capacidade da empatia, da compaixão e da solidariedade. Em tempos de ‘nós contra eles’, estratégia desenvolvida para criar dissenso, deixamos de reconhecer que somente o consenso sobre o valor da vida, de quem quer que seja, permitirá sairmos deste pântano que deixamos que nos chafurdassem.