O jornalista Carlos Heitor Cony, autor do romance clássico “Quase Memória”, morreu aos 91 anos na última sexta-feira (5).

Internado no Hospital Samaritano no Rio desde o dia 26, foi submetido a uma cirurgia no intestino e teve complicações.

Cony foi um dos principais comunicadores do país. Escreveu 17 romances e era membro da Academia Brasileira de Letras desde 2000.

Dentre seus romances, destacam-se “O ventre” (1958), “Pilatos”
(1973) e também os dois que o garantiram o prêmio Jabuti: “Quase memória” (1995), que vendeu mais de 400 mil cópias, e “O piano e a orquestra” (1996). Também escrevia crônicas, contos e novelas para a TV.

Sua longa carreira jornalística começou em 1952 passando por importantes revistas e jornais e foi comentarista de rádio, até recentemente (na rádio CBN).