“O descrédito da mídia oficial, alinhada com as pautas progressistas e distante do povo, só aumenta. A ideia da imprensa como uma espécie de sentinela, sempre atenta aos desmandos do poder, se perdeu completamente. Gente com pouco tino para atividades cerebrais dominou todas as redações de jornal.

O resultado é a credibilidade entre abaixo da média e abaixo de zero. Acreditar numa pesquisa do Datafolha, hoje em dia, equivale a crer que a oeste dos oceanos exista um abismo repleto de dragões e que na linha do Equador a água ferva.

Assim como as redações de jornais, as universidades foram sucateadas, virando lar de estudantes profissionais e aquilo que eles mais atraem: piolhos.

Sem planos minimamente decentes para a educação, com um patrono que deixou gerações incapazes de compreender um texto, tudo o que o país não precisa é de mais verba, pois já se mostraram ineficientes. O orçamento já gigantesco sem que isso se reverta em benefícios para o país. Sem contar que a maior parte fica para o pagamento de salários”.

(Carlos Eduardo de Freitas Rocha)