Zeinab Soleimani, filha do terrorista Qassem Soleimani, jurou morte aos Estados Unidos. Em 1916, Obama lhe concedeu cidadania americana, entre outros 2.5oo iranianos, durante o acordo nuclear com o Irã.

Por John Nolte. Leia o artigo completo no Breitbart.

TRANSCRIÇÃO: Estamos apenas recebendo informações agora que uma segunda onda de ataques com foguetes foi lançada no Irã. O IRGC [Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica] estava dizendo que o aiatolá Khamenei, o líder supremo deste país, estava no centro de controle que coordenava esses ataques. Não sei bem disso, mas a mídia estatal do Irã está afirmando que 30 soldados americanos foram mortos neste ataque. Isto não está confirmado. Isso é apenas da mídia iraniana. Mas acabamos de atravessar o precipício em direção à situação de perigo, Chris.

O repórter falso aqui é Ali Arouzi, chefe do Bureau de Teerã da NBC, que esteve com Chris Matthews.

Vamos detalhar o quão irresponsável isso é.

1) Arouzi usou informações do IRGC para consolidar Khamenei, para fazer parecer que esse bárbaro estava no controle, que era um bravo guerreiro coordenando os ataques. Onde está o contexto de como ninguém deve acreditar em nada do monstruoso IRGC?

2) Sabendo que as informações vinham de uma agência de propaganda, como a TV estatal do Irã, controlada pelo governo iraniano, a NBC divulgou um boato patrocinado pelo Estado de que 30 soldados americanos haviam sido mortos nos ataques aéreos.

3) Arouzi admite que “não tem certeza” sobre os 30 soldados mortos, mas segue em frente e faz o relato mesmo assim. Quão emocionado ficou o Irã ao ouvir isso? E que tipo de “repórter” relata algo de que não tem certeza?

4) Esta é provavelmente a pior. Você tem um assim-chamado jornalista, anunciando que atravessamos um “precipício, o que significa que não há volta, o que significa guerra, que até então era duvidosa.

Tudo isso era mentira. Tudo issonão foi nada além dee um chefe do departamento da NBC News saltando na televisão americana para interpretar Bagdá Bob em nome de uma nação terrorista.

Para começar, não apenas parece que 30 americanos foram mortos; parece que nenhum americano foi morto e que o Irã deliberadamente evitou as causalidades americanas apontando seus mísseis para outro lugar. Em outras palavras, esse foi um movimento que salvou as aparências do Irã, uma desescalada, um sinal de que o Irã está admitindo que não quer entrar em guerra com os EUA, mas precisou disparar alguns mísseis simbólicos por causa do situação política dentro do Irã.

Esta é uma boa notícia.

Não, são ótimas notícias porque, se for verdade, significa que vencemos. Isso significa que a decisão do presidente Trump de atacar o mentor terrorista do Irã, general Soleimani, funcionou. Deixou o Irã morrendo de medo, quando eles estão dispostos a disparar alguns foguetes e fugir do campo de batalha.

Enquanto isso, sanções incapacitantes contra o Irã continuam em vigor.

Chega de atravessar o “precipício”.

E que tipo de “chefe do departamento”, que tipo de suposta rede de notícias, como a NBC, permite que o chefe do departamento decida o que é e o que não é um precipício, especialmente durante o nevoeiro da guerra?

Veja só, a triste verdade é essa …

A mídia, incluindo a NBC News, odeia tanto Trump que quer uma guerra para atrapalhar sua reeleição, quer pilhas de soldados americanos mortos para reduzir seus índices de aprovação.

Simplesmente não há outra explicação para esse tipo de relato imprudente, perigoso e totalmente irresponsável.

Nunca se esqueça de que estamos falando aqui da mídia que entrou em duas comunidades predominantemente negras da classe trabalhadora – Ferguson e Baltimore – e espalhou, deliberadamente, mentiras na esperança de lançar tumultos raciais, sabendo que esses tumultos só machucariam as pessoas que já estão tendo dificuldades naqueles bairros.

A mídia é má. Quando você se lembra disso, tudo o que fazem faz todo o sentido.

Siga John Nolte no Twitter @NolteNC . Siga sua página no Facebook aqui .

* Propaganda, em inglês, refere-se a organizações políticas ou emissoras divulgando informações, muitas vezes imprecisas, a fim de influenciar pessoas.