Jill Abramson

Por John Nolte, no Breitbart. Leia o artigo completo aqui.

Jill Abramson, ex-editora-executiva do jornal de extrema esquerda New York Times, e que carrega um boneco do Obama em sua bolsa para “consolar” sua alma ferida na América de Trump, está acusando o Times de ser uma gangue de piratas dinheiristas famintos que venderam suas almas à resistência anti-Trump. Ressalve-se o fato de Abramson não ser modelo de ética: ela escreveu um artigo pedindo o afastamento de um juiz da Suprema Corte sem base nenhuma para isso.

Howard Kurtz, da Fox News, relata que em seu livro   Merchants of Truth , Abramson detona seu sucessor, Dean Baquet.

“Embora Baquet tenha dito publicamente que não queria que o Times fosse o partido da oposição, suas páginas de notícias eram inconfundivelmente anti-Trump. Algumas manchetes continham opiniões toscas, assim como alguns dos artigos que foram rotulados como análise de notícias.”

“Quanto mais se percebia que o Times era anti-Trump, mais se desconfiava dele por ser tendencioso.

De acordo com Kurtz, Abramson culpa duas coisas. O primeiro é a Woke Generation:

“O pessoal mais ‘acordado’ achava que os tempos urgentes exigiam medidas urgentes; os perigos da presidência de Trump evitavam os velhos padrões”.

O outro motivador é dinheiro:

“Dada a sua audiência majoritariamente de esquerda, houve uma recompensa financeira implícita para o Times na publicação de muitos artigos sobre Trump, quase todos negativos: eles geraram muito tráfego e, apesar dos cancelamentos após a eleição, as assinaturas subiram a níveis que ninguém antecipou.”

Ela também acusa (com precisão) o jornal de extrema-esquerda Washington Post do mesmo.

 

Siga John Nolte no Twitter @NolteNC . Siga sua página no Facebook aqui .