Kaitlan Collins, correspondente para a CNN na Casa Branca.

Por Charlie Spiering, no Breitbart.

 

 

O secretário de imprensa da Casa Branca, Hogan Gidley defendeu a decisão da administração de bloquear um repórter da CNN a um evento por ele ter quebrado o protocolo.

Gidley negou relatos de que a Casa Branca tenha “banido” a repórter da CNN Kaitlan Collins de um evento porque a equipe não gostou do conteúdo de suas perguntas durante uma reunião com o presidente da Comissão da União Européia, Jean-Claude Juncker.

Ele disse:

Não teve nada a ver com o conteúdo das perguntas. Essas são as perguntas do dia-a-dia. O que isso tem a ver – e vocês sabem como isso funciona – quando o presidente agradece à imprensa por participar de um evento, o evento acabou – ou pelo menos a participação da imprensa acabou naquele momento. Este… o repórter em questão de quem vocês estão falando, repetidamente mandaram-no deixar o Salão Oval. Eles se recusaram a fazer isso. Ficaram no Salão Oval, apesar de o pessoal, do Serviço Secreto, todos tentando levar todo mundo para fora da sala. E isso não pode acontecer.

Gidley falou aos repórteres sobre o disputado evento no Air Force One, no vôo de volta do evento do presidente em Illinois.

Os repórteres queixaram-se a Gidley de que havia um “gargalo” no Salão Oval, impedindo-os de sair mais rapidamente da sala. Gidley respondeu que ele estava na sala durante os eventos disputados e que alguns repórteres, incluindo Collins, não estavam se mexendo para sair.

Gidley pode ser ouvido no vídeo dizendo à imprensa: “Obrigado a todos” e “Continue em frente, pessoal” e “Comecem a sair,, pessoal” enquanto Collins, repetidamente, fazia perguntas ao presidente Trump sobre seu ex-advogado pessoal, Michael Cohen.

“Obrigado, Kaitlan. Vamos continuar – disse Gidley diretamente a Collins, que respondeu fazendo ao presidente outra pergunta:

Collins afirmou que a vice-chefe de gabinete da Casa Branca para as comunicações e a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, “acharam que as perguntas que eu fiz ao presidente eram inapropriadas e inadequadas para esse local”.

Gidley discordou. “Trata-se do processo, procedimento e protocolo. E todo mundo que entra lá entende quando o presidente termina uma conversa, todo mundo sai. A imprensa é escoltada, normalmente de maneira ordenada. Mas nesse caso em particular, alguém se recusou a sair depois de receber ordens repetidas vezes para fazê-lo.