Quando a CNN usa a mesma menina, em
3 fotos diferentes de crise de refugiados, sendo salva por 3 homens diferentes

Por Jason Hopkins. Leia o artigo completo no Daily Caller.

Imigrantes da América Central apreendidos na fronteira alegaram ter sido incentivados por anúncios de jornais locais que prometiam oportunidades de trabalho e assistência gratuita do governo dos EUA.

“O mundo todo sabe, eles colocam no noticiário. Eles nos dizem em toda parte se você vem para os Estados Unidos, eles vão ajudá-lo”, disse uma hondurenha detida na fronteira, cuja família decidiu fazer a jornada depois de ver várias propagandas.

Inúmeros anúncios na América Central, supostamente pagos por agentes do negócio de tráfico humano, prometem empregos e ajuda gratuita nos EUA se chegarem à fronteira. Além disso, os anúncios dizem que eles têm uma chance melhor de serem beneficiados pela lei se trouxerem um filho: “Fomos informados de que se você é pai e traz seu filho, você será ajudado aqui se”, explicou um pastor também detido.

A crescente indústria do contrabando humano na América Central tem sido bem documentada e os recrutadores são claros sobre as práticas de seu setor.

“Nunca foi tão fácil conseguirmos famílias”, disse, um recrutador. “As pessoas querem ir embora e nós as ajudamos”, continuou ele. “E acontece que eu ganho dinheiro no processo”. Seus pacotes variam de US $ 7.800 a US $ 11.000, e incluem opções mais baratas para pessoas dispostas a tomar rotas notoriamente mortais.

Coiotes e outros traficantes humanos contribuíram para as mudanças demográficas na fronteira EUA-México.

A Patrulha da Fronteira dos EUA prendeu 92.607 estrangeiros entre os portos de entrada na fronteira em março. Outros 10.885 migrantes apareceram em um porto de entrada, mas foram considerados inadmissíveis e foram rejeitados. O total de 103.492 fez de março o mês mais alto em apreensões e inadmissíveis em mais de uma década.

Siga Jason no Twitter .