Por Claudio Cartaldo. Leia o artigo completo no Il Giornale.

A volta do terrorista Battisti à Itália, após 37 anos de inação entre a França e o Brasil, suscitou reações dos que se alinharam em defesa (novamente) de Battisti .

 Há os que levantaram a hipótese de anistia e os que penduraram faixas em sua defesa no Coliseu. “Há ainda alguns, […] Ao navegar na internet ontem, notei que há também alguns jornalistas, para meu horror, comentando:

‘É mais perigoso Salvini, pelo que está fazendo hoje que Battisti, que matou por razões políticas’. Como se faz, em 2019, para igualar a ação política do atual governo com alguém que mata por razões políticas? É de outro mundo”.

A referência é a um post, público, de um jornalista do Mattino, de Nápoles. Seu comentário provocou, após a “publicidade”, uma dura reação dos usuários. “Espero que o ministro a processe”, alguém escreveu. Em seu post, o jornalista escreveu:

“Não sei se hoje é um terrorista perigoso aquele que matou por motivos políticos, nos anos setenta, ou aquele que, como ministro do interior, fomenta todos os dias de 2019 o ódio contra outros seres humanos pobres e completamente inocentes”.