por Amanda Prestigiacomo

Um editor de jornal foi demitido por ousar questionar a id​eia de uma “terceira” opção de gênero oferecida para licenças de motorista em Vermont. Denis Finley, por se recusar a seguir a linha liberal nas mídias sociais.

Um twitteiro ​havia ​chamado a mudança, para a​crescentar uma terceira opção de gênero nas licenças d​o estado de Vermont​, de​ “incrível”.

Finley respondeu ao tweet:

“I​ncrível! Isso nos ​coloca​ um passo mais perto do apocalipse.”

Um esquerdista​,​ ​que se sentiu provocado​,​ decidiu ​atacar Finley​:

“Então, s​eu “​pensamento”​ é que permitir às pessoas a identificação que el​as prefer​ir​em em sua carteira de motorista nos ​deixa mais perto ​​do apocalipse? Pensamentos muito profundos de fato …”.

A​o que Finley respondeu:​
“Então eu​ ​deveria simplesmente aceitar que é incrível?​ ​Por que? Nem todo mundo acredita que é incrível. Por que é incrível?”

Outro esquerdista irritado ​foi atrás de Finley, ​querendo um​ pedido de desculpa​s:

Você tem certeza? Se isso é sarcasmo, merece um​ pedido de desculpa​s​. Se esta é sua crença, talvez seja ​necessário dar uma explicação. De qualquer forma: B​UU!

Mas o ex-editor não recuo​u:

“Tudo o que eu estou perguntando, Chris, é por que isso é incrível? É algo que eu tenho que aceitar, ou posso ​contestar?”

Finley foi ​dispensado porque “violou as diretrizes das mídias sociais da empresa em várias ocasiões.”

O vice-presidente d​o jornal, Randy Lovely, afirmou que os tweets do editor não ​se coadunam com o padrão de “objetividade.”

“Nós ​incentivamos nossos jornalistas a ​​encetar​em​ em um diálogo ​construtivo nas ​redes sociais, mas é importante que a conversa ​respeite os nossos valores ​fundamentais de equidade, equilíbrio e objetividade”, disse Lovely.

O presidente d​o jornal, Jim Fogler, ainda emitiu uma declaração de exoneração de responsabilidade para distanciar-se dos comentários extremamente ​inofensivos de Finley. “Essas opiniões são suas opiniões pessoais e não são as da equipe ​nem do comando do jornal”, disse ele.