NET NEUTRALITY = todos os usuários têm a mesma velocidade. Sem a neutralidade, os provedores dão maor velocidade a quem paga mais.

“Assim como as companhas telefônicas não censuram você, os provedores de internet também não deveriam censurar.” essa é a argumentação de um político nos Estados Unidos. Veja como está o debate, sobre este assunto, por lá.

 

por Sean Moran no Breitbart.

 

A neutralidade da rede foi aprovada em 2015. Allei reclassificou a internet como um monopólio público. Os críticos criticaram a lei,, afirmando que isso diminuiria a liberdade da Internet. Os defensores argumentam que os regulamentos impedem que os provedores de serviços de Internet (ISPs) discriminem os provedores de conteúdo.

Defendendo sua decisão de apoiar a neutralidade da rede, o senador John, Kennedy disse que, não se tratava de ideologia partidária:

“É a isso que se resume: Você confia na sua empresa de internet?

Quero dizer, se você confia na empresa que provê internet a cabo, então você apóia a decisão de permitir que empresas de TV a cabo censurem, estrangulem e façam você pagar mais, se quiserem, por uma banda rápida. Eles dizem que não farão isso. Não estou dizendo que não acredito nelas. Eu só estou dizendo, você sabe, quando eu jogo pôquer com amigos, eu confio neles, mas eu cortei as cartas. Agora, se você não acredita nas empresas de TV a cabo, se você acha que elas vão tomar o direito de censurar e controlar e implementar vias rápidas, você vai apoiar a neutralidade da rede.

O ponto principal para mim, é o argumento de que damos à empresa de internet a cabo a autoridade de censurar ou desacelerar sites da Internet, a menos que você pague mais e, se não gostar, pode mudar de empresa de TV a cabo . Há apenas um problema com isso: você não pode mudar de empresa.”

Cerca de 20%, acho que 22% do meu pessoal, tem acesso a um provedor de serviços de Internet. Isso lhes dá a velocidade de que precisam. Então eles não podem mudar. Se você deixar de fora os provedores de satélite e apenas ficar apenas com a banda larga fixa, metade dos americanos terá acesso a apenas uma empresa de cabo. Então, se uma empresa de TV a cabo disser: ‘Ei, vou desacelerar ou parar sua capacidade de visualizar este site, a menos que você me pague mais, eles não podem mudar.

Eu só acho que a Internet é como um telefone ou celular ou eletricidade ou água, tornou-se uma necessidade. Quando você faz a assinatura do serviço telefônico, a companhia telefônica não lhe diz com quem você pode conversar, e a companhia telefônica não lhe diz o que você pode dizer. Então eu simplesmente acho que as empresas de TV a cabo não deveriam poder fazer isso também.

A comissão federal aprovou o “Decreto Restaurador da Liberdade da Internet” que revogou os regulamentos da neutralidade de rede em 2015. O decreto reclassifica a Internet como um “serviço de informações” e exige que os provedores de serviços de Internet publiquem relatórios detalhando suas práticas de bloqueio, estrangulamento e e priorização de dados.

 

Há políticos que são a favor de que o Congresso aprove uma solução legislativa permanente para a questão da neutralidade da rede. O presidente da Comissão Federal de Comunicações disse:

“Eu acho que a melhor solução seria o Congresso nos dizer o que eles querem que as regras da estrada sejam para o FCC e o país quando se trata do mundo digital”.

“Porque […] não queremos que os ventos de regulamentação continuem mudando a cada quatro ou oito anos, queremos fornecer um nível de consistência ao mercado para que consumidores e empresas possam desfrutar da revolução digital”.

Outros votam pela neutralidade da rede por causa da necessidade de uma legislação que codifique as regras de uma Internet livre e aberta. A congressista Marsha Blackburn (R-disse que a regulamentação ressalta a “necessidade de um conjunto de regras para todo o ecossistema da Internet, seja seu provedor de Internet ou seu prestador de serviços, para regular a sua privacidade, ter sua notificação de segurança de dados para violações de dados coisas dessa natureza. Estamos trabalhando para impulsionar a Lei de Preservação da Internet Aberta, que codificaria sem bloqueio, sem aceleração, e deixaremos a priorização de lado para um mergulho mais profundo, e essa é a razão.”