Iraqi supporters of Moqtada al-Sadr attend Friday prayers in Baghdad's Sadr City April 1, 2016, a day after the influential Shiite cleric ordered his followers to end a two-week sit-in in the capital calling for government reform. Sadr ordered his followers to end the sit-in on March 31 after the …

Por Breitbart Jerusalém.

TEERÃ (AFP) – O judiciário iraniano prendeu uma jornalista por “insultos” ao imã Hussein, uma das figuras religiosas mais veneradas da república islâmica xiita, informou sua agência de notícias na quinta-feira.
“Pouyan Khoshhal … que estava sendo processado por insultos ao imã Hussein e (outros) imãs, foi preso na noite passada enquanto tentava sair do país”, relatou a Mizan Online.

A narrativa oficial xiita diz que Hussein, neto do profeta Maomé, foi morto no século VII, ao recusar o direito do califa Yazid de governar o mundo islâmico.

A comemoração anual da Ashura, que marca a morte de Hussein, é um dos dias mais sagrados do islamismo xiita.

Khoshhal trabalhou no jornal reformista Ebtekar e escreveu um relatório em 21 de outubro referindo-se à morte do imã Hussein como “falecimento” em vez do “martírio” oficialmente aceito.

De acordo com Mizan, isso provocou “considerável indignação e críticas”.

O Judiciário também disse que suas investigações mostraram que Khoshhal havia repetidamente insultado imãs antes nas redes sociais e que “relatos do povo” chamaram sua atenção para o caso.

A conta pessoal do Khoshhal no Twitter foi excluída e a frase foi alterada no site da Ebtekar.

O editor-chefe da Ebtekar, Reza Dehaki, pediu desculpas a todos os ofendidos e disse a um jornalista do Mizan que eles mudaram o relatório e cortaram os laços com o autor, informou a agência.

Outro jornalista, Mir Mohammad-Hossein Mir-Esmaili, foi condenado a 10 anos de prisão em agosto por “insultar” Imam Reza, uma das 12 figuras reverenciadas do islamismo xiita.

Ele também foi preso enquanto tentava deixar o país em abril de 2017.