Do O Antagonista:

Rodrigo Lopes, do jornal gaúcho Zero Hora, ficou retido em uma unidade militar na Venezuela por duas horas na última sexta-feira (25), registra a Folha.

Ele estava cobrindo um ato de apoiadores do ditador Nicolás Maduro quando foi abordado por um homem não identificado. Levado à unidade militar, teve o passaporte e o celular apreendidos, foi interrogado e impedido de ligar para a embaixada.

Ao ser liberado, Lopes recebeu de volta o celular e o passaporte, mas foi ameaçado pelo homem em trajes civis que o escoltava, que tirou fotos de seu rosto.

“Agora, o senhor está fichado conosco, conhecemos tua cara e sabemos onde escreves. Se te pegarmos novamente, tu vais ser preso e responderá processo segundo as leis venezuelanas”, disse o homem.

Lopes já voltou ao Brasil. O Grupo RBS, que edita a Zero Hora, decidiu retirá-lo da Venezuela,  “uma vez que não havia mais condições mínimas de segurança”.

Depois dele, dois jornalistas chilenos e dois franceses foram detidos.

Na terça (29), Rodrigo Pérez e Gonzalo Barahona, da TV Nacional do Chile, ficaram presos durante 12 horas e passaram a noite no mesmo lugar em que Lopes fora detido –uma estação policial em frente ao Palácio de Miraflores.