Os concorrentes do Google, no Brasil, respondem por 4% das buscas. O Google, portanto, tem o monopólio da informação. Diante disso, ele anunciar que vai aumentar seu exército de revisores deveria ser preocupante.

Mike Blake / REUTERS
P​or Connor Chue-Sang. Leia o artigo completo em Dangerous.​

O YouTube, o serviço de transmissão de vídeos do Google anunciou planos para contratar mais de 10 mil pessoas em 2018 com o objetivo de “trabalhar para abordar conteúdos que violariam nossas políticas”.

Em ​seu blog, o Google enfatizou a necessidade de mais “revisores humanos” na empresa.

Leia o que escreveu Susan Wojcicki, CEO ​do​ YouTube (em letras azuis) e os argumentos contrários (em letras verdes):
“Nossa plataforma aberta tem sido uma força para a criatividade, aprendizado e acesso à informação”.

​Eu vi como os ativistas a usaram para defender mudanças sociais, mobilizar protestos e documentar crimes de guerra”.

Inúmer​as vezes os conservadores foram demonizados ou censurados, tendo seus vídeos colocados em listas de “modo restrito”.

W​ojcicki continua:
“Mas eu também vi de perto que pode haver outro lado mais preocupante da abertura do YouTube. Eu vi como alguns atores ruins estão explorando nossa abertura para enganar, manipular, assediar ou mesmo prejudicar​.“No ano passado, tomamos ​iniciativas para proteger a nossa comunidade de conteúdo violento ou extremista, testando novos sistemas para combater ameaças emergentes e em evolução.
​Reforçamos as políticas sobre o conteúdo que pode aparecer na nossa plataforma ou ganha​r
receita para criadores​.”

Por enquanto, o “conteúdo violento ou extremista” compreende,  principalmente, as vozes conservadoras e libertárias, como a Universidade Prager. Porque seus vídeos foram desmonetizados e colocados na lista de “modo restrito”, a Prager está processando o Google.

“Não há absolutamente nada” inadequado “​no conteúdo dos vídeos da PragerU censurados pelo Google e pelo YouTube; os vídeos não contêm qualquer palavrão, nudez ou ​qualquer outro conteúdo “maduro”  inadequado​,​ e cumpr​em completamente a carta de Termos de Uso do YouTube e as Diretrizes da Comunidade”, disse Marissa Streit, diretora-chefe da Prager.
​Está claro que alguém não gosta do que ensinamos e pretende nos impedir de ensiná-lo. Você consegue imaginar como seria o mundo se o Google puder continuar a ​censurar arbitrariamente idéias com as quais simplesmente não concorda?”.

“Os ​revisores humanos ​são essenciais tanto para a remoção de conteúdo quanto para ​treinar as  máquinas ​a aprenderem o sistema  porque o julgamento humano é fundamental para tomar decisões contextualizadas sobre o conteúdo”, explicou Wojcicki. “Desde junho, nossas equipes de confiança e segurança​ revisaram, manualmente, ​quase 2 milhões de vídeos ​de  conteúdo extremista violento, ajudando a capacitar nossa tecnologia de aprendizagem em máquina para identificar vídeos similares no futuro”.

A quantidade de vídeos vistos desde junho, ​obviamente não é suficiente​. Em novembro, o Times de Londres revelou que o YouTube estava permitindo propagandas em vídeos contendo imagens sexualizadas de crianças. A revelação ​fez com que​ grandes marcas, como Adidas, Deutsche Bank, Amazon e Oreo, ​retirassem suas propagandas do site.

Não só isso, apesar de ​ter declarado remover “mais de 150.000 vídeos ​de extremismo violento”, o YouTube se recusou a remover os vídeos feitos pelo recrutador sênior da al-Qaeda e pregador de ódio islâmico, Anwar Al-Awlaki.

W​ojcicki admitiu falhas:​”Precisamos de uma abordagem que faça um ​trabalho ​melhor ​em determinar quais canais e vídeos devem ser elegíveis para publicidade”.

Wow, isto não significa que as vozes conservadoras mais uma vez terão permissão para ganhar dinheiro com o serviço de transmissão de vídeo, como Wojcicki também admitiu em sua postagem no blog que o YouTube “começou a treinar a tecnologia de aprendizagem em máquinas em outras áreas de conteúdo ​difícil, com segurança infantil e discurso de ódio.”

“Nós entendemos que as pessoas querem uma visão mais clara de como estamos lidando com conteúdo problemático”. “Nossas diretrizes da comunidade dão aos usuários aviso sobre o que não permitimos em nossas plataformas “.

​Entretanto, as Diretrizes do YouTube n​ão são claras:

Nossos produtos são plataformas de liberdade de expressão. Mas não apoiamos conteúdo que promova ou ​tolere a violência​,​ contra indivíduos ou grupos​,​ com base na raça ou origem étnica, religião, deficiência, gênero, idade, nacionalidade, status de veterano ou orientação sexual / identidade de gênero​,​ ou cujo principal objetivo ​seja incitar o ódio com base nessas características principais. Isso pode ser um equilíbrio delicado, mas se o objetivo principal ​for atacar um grupo protegido, o conteúdo cruza a linha.”

Embora isso, por si só, já seja subjetivo, na seção “Saiba mais”, o YouTube afirma:

“Existe uma linha ​tênue entre o que é e o que não é considerado discurso de ódio. Por exemplo,

​geralmente não há problema em criticar um estado-nação, às vezes há, porque, se alguém criticar estados que são ​essencialmente religiosos, como a maioria dos países muçulmanos, por exemplo, essa pessoa poderá estar cometendo “discurso de ódio”.
Sendo assim, a liberdade criativas e expressão pessoal são privilégios para muçulmanos.

Wojcicki também disse que a empresa tomaria “​medidas agressiva​s contra comentários, lançando novas ferramentas de moderação de comentários e, em alguns casos, encerrando completamente ​os ​comentários​.​”

Como qualquer outro monopólio, o Google impõe as regras e as opiniões.