Resultado de imagem para The Washington Post

Maggie Mitchell Salem.

Artigo condensado de Paul Mirengoff. Leia o original no Power Line.

O Washington Post passou meses tratando Jamal Khashoggi – vítima de um assassinato brutal ordenado pelo governo da Arábia Saudita – como um lutador pela democracia e um jornalista da mais alta integridade. O Post elogiou Khashoggi com tanta persistência que a revista Time nomeou-o Personalidade do Ano.

Apesar da versão idealizada do Washington Post, em um artigo seu sobre os últimos meses de Khashoggi, há esta passagem:

Talvez o mais problemático para Khashoggi tenha sido suas conexões com uma organização financiada pelo inimigo regional da Arábia Saudita, o Qatar . Mensagens de texto entre Khashoggi e uma executiva da Qatar Foundation International mostram que a executiva, Maggie Mitchell Salem, às vezes moldava as colunas que ele apresentava ao The Washington Post, propondo tópicos, redigindo material e estimulando-o a tomar uma posição mais dura contra o governo saudita. Khashoggi também parece ter confiado em um pesquisador e tradutor afiliado à organização. . . .

Os editores da seção de opinião do The Post, que é separada da redação, disseram que não tinham conhecimento desses arranjos. . .

(Ênfase acrescentada)

Liz Sly, chefe da sucursal do Post em Beirute, descreve as notícias sobre os artigos de Khashoggi como “preocupantes”. Isto parece ser um eufemismo.

Khashoggi e Maggie Mitchell Salem.

O Post publicou editoriais, que às vezes, eram sugeridos, pesquisados ​​e redigidos por uma afiliada do governo do Qatar, um governo que desde meados da década de 1990 tem estado em grande desacordo com a Arábia Saudita. Na verdade, esses eram falsos artigos de opinião. Ao publicá-los, o Post tornou-se uma ferramenta do Qatar – uma monarquia absoluta, a propósito. Após a morte de Khashoggi, o Post agravou a ofensiva com um monte de notícias falsas sobre a suposta independência e integridade de Khashoggi.

Eu tomo o Post em sua palavra quando diz que não sabia sobre o papel do Catar na produção de artigos de opinião de Khashoggi. Mas ao abraçar Khashoggi, o Post ignorou várias bandeiras vermelhas . De qualquer forma, conscientemente ou não, o Post serviu de veículo para a divulgação da propaganda do Qatar.

Quanto a Khashoggi, ele nunca foi realmente um jornalista. Como descreveu David Reaboi , ele foi “um agente altamente partidário que trabalhou com um manipulador para publicar propaganda a pedido do Emirado do Qatar. Em outras palavras, um agente de influência.

Isso não justifica assassinar Khashoggi. Mas seus argumento sobre a política externa americana perdem credibilidade.

Maggie Mitchell Salem.

Fonte:

ww.youtube.com/watch?v=Q1ASa4oXrZU