Clóvis Rossi

O Antagonista analisa um artigo de Clóvis Rossi, reconhecendo que ele resume os fatos contra Lula, mas observando que ele faz ponderações absurdas.

Precisão é uma das bases do jornalismo. Sem ela, não pode haver confiança e a credibilidade é quebrada.
A primeira lição que a maioria dos jornalistas aprende, é que eles têm que
esclarecer bem os fatos.
Isso requer cuidados,  verificar duas vezes, e verificar três vezes.
Em algumas faculdades de jornalismo, obter um fato errado significa não cumprir a tarefa, não importa quanto esforço tenha sido feito, ou quão bem feito tenha sido.
A precisão simplesmente significa fazer as coisas corretamente.
Mas, não é nada simples fazer isso.
A precisão é traiçoeira.
É possível obter todos os fatos certos, e ainda assim contar a história errada
porque você escolheu os fatos errados, ou um conjunto incompleto de fatos.

Leia:

 

“Ele escreve que ‘ninguém discute que há uma escandalosa promiscuidade entre Lula, a Odebrecht e a OAS, entre outras construtoras’.

E prossegue:

‘Lula se transformou em caixeiro viajante a serviço da Odebrecht, uma empresa que confessa ter adotado ‘práticas impróprias’.

‘Só Lula não sabia dessas práticas? O ex-presidente, no cargo ou depois de deixá-lo, nunca escondeu que ‘vendia’ empresas, produtos e serviços brasileiros em outros países, entre eles principalmente a Odebrecht.

‘Ou, posto de outro modo, a corrupção transformou-se, com Lula, em produto de exportação, de que dá prova, por exemplo, o fato de que todos os presidentes peruanos deste século receberam propinas da Odebrecht. Um deles está até na cadeia.

‘Não é só a Odebrecht: é escandalosa a familiaridade com que Lula se referia, no depoimento a Moro, ao ‘Leo’, que vem a ser Leo Pinheiro, presidente da OAS, que se deu ao trabalho de sair do seu escritório para servir como corretor para vender (ou doar) um apartamento a Lula.

Essa gestão também está comprovada e, mesmo que não haja ilegalidade, é moralmente inaceitável quando todo o mundo sabe que empresas como a OAS (e a Odebrecht) dependem de negócios com o poder público.’

Aí não dá.

Como, a esta altura da Lava Jato, Rossi pode relativizar a ilegalidade nos negócios entre Lula e a OAS e a Odebrecht?

Ambas as empreiteiras — COM PROVAS DOCUMENTAIS — confessaram que havia “contas de propina” para o PT das quais o dinheiro para Lula era debitado. Triplex, reforma de sítio, apartamento em São Bernardo: nada disso era presente “moralmente inaceitável”, mas bola em troca de contratos com a Petrobras.

Em relação ao triplex, não se tratou de “venda” ou “doação” de Leo Pinheiro. Tratou-se de pagamento de propina na forma de um apartamento — cuja titularidade foi mantida no nome da OAS, para esconder o proprietário de fato: Lula. O nome disso é corrupção e lavagem de dinheiro.

Clóvis Rossi conclui:

‘O elenco de detalhes desabonadores para o ex-presidente poderia estender-se, mas já basta para voltar ao início deste texto: o ideal seria que o eleitorado decidisse se são suficientes para não votar em Lula ou se a maioria não se incomoda com eles. Demonstraria se o caso Lava Jato foi suficientemente pedagógico para o eleitorado brasileiro ou se ele prefere continuar sendo “mal educado” para usar o rótulo (correto) que Washington Olivetto pespegou no Brasil, na sua entrevista deste domingo (21) à Folha.’

Essa gente enlouqueceu? A participação no maior escândalo de corrupção da história quiçá mundial é um “detalhe desabonador”? Desde quando voto popular substitui a Justiça? Desde quando cabe aos eleitores decidir se provas criminais são suficientes ou não? Que história é essa de que uma eleição com a participação de Lula serviria para medir o efeito “pedagógico” da Lava Jato sobre o eleitorado? De que ela, a eleição com Lula, demonstraria se os brasileiros são ou não “mal educados”?

A Lava Jato não é uma espécie de “Escolinha do Professor Moro”. É uma operação da PF em conjunto com o MPF, formada para investigar e denunciar corruptos do escândalo da Petrobras à Justiça — que, por sua vez, já condenou Lula em primeira instância, num dos processos abertos contra o petista, e poderá vir a confirmar a condenação em segunda instância, no próximo dia 24. A sua pedagogia é punir criminosos que se julgavam imunes aos artigos do Código Penal. E o maior deles é Lula, apontado como o Comandante Máximo do petrolão.

É disso que se trata: de julgar um cidadão que não está, não, acima da lei. E que não pode obter imunidade por meio das urnas, uma vez que as urnas não têm preponderância sobre a Justiça.

Lula está sendo julgado por crimes objetivos, não por sua falta de moralidade. A falta de moralidade, no caso, é somente moldura. Mal educado é quem acredita no contrário, porque não entendeu — ou finge não entender — absolutamente nada.”