Os jovens têm o direito de estarem protegidos de microagressões ofensivas.
Exceto aquele punk de boné MAGA com uma cara que eu adoraria socar.

Por Ashe Schow. Leia o artigo completo no Daily Wire.

Apenas algumas semanas depois de um enorme processo de US $ 250 milhões ter sido movido contra o The Washington Post por sua reportagem despreocupada e desonesta sobre um incidente entre adolescentes de Kentucky e um grupo de manifestantes nativos americanos, a mídia finalmente acrescentou uma nota de editor à sua cobertura inicial.

A nota não pede desculpas pelo papel que o jornalismo tendencioso do Post desempenhou ao difamar adolescentes católicos de Covington e ameaçá-los, mas diz que reportagens subsequentes contradiziam ou falharam em “confirmar os relatos fornecidos” na matéria inicial.

A nota ainda afirma que o estudante do ensino médio (Nick Sandmann, que não é mencionado na nota do editor, mas que é quem processa o Post) acusado de agir de forma racista em relação a Phillips, “emitiu uma declaração contradizendo seu relato”. E continua

“A cobertura posterior do Post, incluindo o vídeo, relatou esses desenvolvimentos: ‘O impasse viral entre um ancião indígena e um colegial é mais complicado do que parecia à primeira vista’; “O bispo de Kentucky pede desculpas aos estudantes católicos de Covington, diz que espera sua exoneração”; “A investigação não encontra evidência de ‘declarações racistas ou ofensivas’ no incidente do Mall ‘”, conclui a nota do editor.

A nota também inclui a correção que foi adicionada ao artigo em 22 de janeiro, que havia identificado incorretamente Phillips como um veterano do Vietnã, o que ele não era.

Novamente, não houve desculpas para os estudantes que foram difamados como agressores racistas , quando, na verdade, esses estudantes foram vítimas de intimidação racista pelos israelitas hebreus negros e intimidação de Phillips e seus amigos ativistas que entraram no grupo de adolescentes e começaram batendo um tambor a poucos centímetros do rosto de Sandmann enquanto ele sorria educadamente (sorriso que fora denunciado como racista por tipos presunçosos da mídia).

A cobertura subsequente do Post – o artigo “mais complicado do que parecia à primeira vista” – não isenta a empresa da falta de jornalismo básico quando se apressou em difamar os adolescentes porque usavam bonés Make America Great Again e participavam da Marcha pela Vida. Poucos dias após a primeira e terrível cobertura, o Post publicou um artigo opinativo afirmando que “o confronto entre adolescentes da escola católica e um ancião nativo americano é um lembrete dos 500 anos de conflito”.

O Post está apenas emitindo essa nota do editor, agora, por causa da ação legal dos advogados de Sandmann. A nota deixa claro que a empresa agiu de forma antiética em seus artigos iniciais, mas não oferece desculpas a fim de evitar ter que reconhecer que cometeu um erro grave. Além disso, a nota do editor está por trás de um paywall, porque mesmo as correções atrasadas devem aumentar a receita, certo?