Em 1897, Adolph S. Ochs, o proprietário do The New York Times, criou o famoso slogan “Todas as notícias que são dignas de se imprimir” (All the news that’s fit to print), que ainda aparece no cabeçalho do jornal hoje. Ele escreveu o slogan como uma declaração da intenção do jornal em relatar as notícias imparcialmente.

 

Por Hank Berrien, no Daily Wire.

 

O New York Times, foi apanhado repetindo uma alegação supostamente falsa, de 1987, de que o primeiro-ministro fundador de Israel, David Ben Gurion, queria que Israel desistisse da terra que conquistara na Guerra dos Seis Dias de 1967. O jornal recusou-se a corrigir o erro, embora tenha sido desmascarado.

Como o historiador Martin Kramer apontou no dia 28 de julho, na edição do dia 23, do Times, a alegação falsa ocorreu na página A1 em um artigo de Max Fisher intitulado “Israel, Indo na Corrente Nacionalista, Coloca a Identidade Primeiro. Não está sozinho”.

O lead do artigo dizia:

Em meio a um momento de euforia nacional, o primeiro-ministro fundador de Israel, David Ben-Gurion, emergiu da aposentadoria, em julho de 1967, para avisar aos israelenses que eles haviam semeado as sementes da autodestruição. Israel acabara de obter uma impressionante vitória militar contra seus vizinhos, deixando os israelenses com a sensação eufórica de que a grandiosa experiência de um Estado judeu poderia realmente funcionar. Mas Ben-Gurion insistiu que Israel desistisse dos territórios conquistados. Se não o fizesse, disse ele, a ocupação distorceria o jovem Estado, que fora fundado para proteger não apenas o povo judeu, mas seus ideais de democracia e pluralismo.

Kramer observa: “Na edição impressa, essa afirmação sobre Ben-Gurion não apresenta as fontes, mas a versão on-line forneceu um link a um artigo do falecido Arthur Hertzberg, outrora um proeminente rabino americano, na New York Review of Books de 1987. Ali, Hertzberg afirmou ter ouvido Ben-Gurion, logo após a vitória de 1967, ‘insistir que todos os territórios que tinham sido capturados tinham que ser devolvidos, muito rapidamente, pois mantê-los distorceria e poderia destruir o estado judeu. ‘”

Mas Kramer desmascarou a história de Hertzberg na revista Mosaic Magazine, em abril.

Kramer visitou os Arquivos Ben-Gurion em Sde Boker para encontrar a transcrição da palestra a que Hertzberg compareceu. A transcrição existia, e não havia registro de Ben-Gurion dizendo o que Hertzberg afirmou ele ter dito.

Kramer também observa que, em junho de 1967, Ben-Gurion propôs anexar Jerusalém e Gaza e tornar a Cisjordânia uma zona autônoma dependente de Israel. Kramer continua: “Ele propôs devolver o Golã e o Sinai à Síria e ao Egito, mas somente em troca da ‘verdadeira paz’ ​​por tratado. No final do verão, ele havia retirado o Golã da mesa e, alguns anos depois, estava argumentando contra devolver os assentamentos israelenses no Sinai e por incluir Hebron em Israel. “

No entanto, na noite de domingo, 29 de julho, o Times ainda não mudara a afirmação de Fisher sobre Ben Gurion.

 

Fonte:

http://www.readwritethink.org/classroom-resources/calendar-activities/york-times-used-slogan-20412.html