Fale por quem não tem voz. Apoie os que falam por você.

Michelle Malkin.

Por Michelle Malkin, no Daily Wire.

 

Na competição de idéias, você não pode ganhar o jogo se não estiver em campo.

É por isso que a recusa teimosa dos figurões do Vale do Silício em colocar os negócios acima de suas próprias tendências partidários pessoais não apenas incomoda. Ela cheira mal. Igualdade de acesso às mídias sociais não é apenas compartilhar fotos de alimentos, vídeos de animais de estimação, tutoriais de maquiagem e reportagens de viagens. Trata-se de garantir a capacidade de disseminar e distribuir o discurso político nas maiores plataformas do mundo.

Embora eu tenha começado na indústria de jornais metropolitanos em 1992, meus anos como blogueira conservadora independente e empresária na Internet foram muito enriquecedores, jornalisticamente. Eu lancei meu primeiro site em 1999, meu blog homônimo em 2004, meu primeiro blog em grupo e plataforma de conteúdo de vídeo HotAir.com e meu canal do YouTube em 2006 (onde eu transmiti notícias do Iraque), minha conta no Twitter em 2008, meu segundo site de grupo Twitchy.com em 2012, e minha série na web em estilo documentário, “Michelle Malkin Investiga”, para a CRTV.com em 2016.

Eu não apenas prego a Primeira Emenda. Eu pratico isso para viver.

O status de primeiros utilizadores  era importante para nós, não-esquerdistas, que viam a influência disruptiva e as oportunidades de configuração narrativa que as novas mídias e mídias sociais ofereciam. Eu fui menosprezada por colegas da mídia por desperdiçar tempo na internet,  como “apenas uma blogueira” (que eu, orgulhosamente, transformei numa hashtag), e ridicularizada por iniciar um negócio de agregação no Twitter, muito antes dos meios de comunicação corporativos copiarem a idéia.

Ao longo dos anos, juntei-me a outros usuários independentes de mídias sociais conservadores para expor campanhas coordenadas de “spamming” contra personalidades e causas de direita. Jornalistas e ativistas pró-vida, pró-fronteira e anti-jihadistas foram seletivamente amordaçados no Google / YouTube, Facebook e Twitter. Eu trabalhei com alguns funcionários de boa fé nessas empresas,que tentaram tratar conservadores de forma justa. Mas na era desordenada da resistência anti-Trump, expurgos intermitentes, suspensões “acidentais” e eliminações suspeitas de conteúdo conservador atingiram um nível de censura sistêmica.

Em abril, o brilhante artista de rua anti-esquerdista Sabo desapareceu do Twitter sem aviso ou explicação.

Meu amigo e colega de CRTV.com Gavin McInnes foi silenciado no Twitter recentemente por absolutamente nenhuma boa razão, e permanece suspenso.

A Universidade Prager, com quem colaborei em um novo vídeo sobre imigração e segurança nas fronteiras, foi eliminada do Facebook, e está claro que não foi uma falha acidental. Um dos vídeos retirados foi a da vlogger conservadora e apresentadora da CRTV.com, Allie Stuckey, chamado “Faça os Homens Masculinos Novamente”.

O autor e filósofo Stefan Molyneux, cujos podcasts de vídeo têm 250 milhões de visualizações, também foi silenciado por supressores de fala no YouTube, que, arbitrariamente,emitiram reclamações contra ele por violação de diretriz comunitária por vídeos.

Meu amigo conservador, guru da mídia social, Nick Short, do Security Studies Group, foi um dos milhares de ativistas conservadores que descobriram que foram sufocados pelo uso do Twitter por um “filtro de qualidade complexo e opaco que tem o efeito de restringir desproporcionalmente vozes de conservadores, sob o pretexto de limitar usuários prejudiciais ou abusivos. ”

Como sempre. Por três décadas, a extrema-esquerda travou uma guerra contínua contra a liberdade de expressão conservadora em todos os espaços disponíveis.

Eles organizaram campanhas militantes de boicote contra os defensores mais eficazes da direita em programas de rádio – incluindo Rush Limbaugh, Sean Hannity, Michael Savage e Laura Ingraham. Eles pressionaram os anunciantes a se retirarem do programa nacional de TV da Dra. Laura Schlessinger quando ela estava no auge de sua popularidade e sucesso comercial.

Os democratas exploraram tragédias nacionais, desde o atentado de Oklahoma até o massacre de Tucson, para tentar regular a liberdade de expressão conservadora, legal e pacífica, e promulgar uma Doutrina da Justiça Orwelliana sob o pretexto de decência, diversidade e igualdade.

A “nova” guerra contra os conservadores na internet é a mesma velha tentativa de liberais desesperados de fechar seus concorrentes no mercado de ideias. Se você não pode vencê-los, tire a plataforma deles. Esse é o jeito progressista.

A solução de direita não é descansar, mas conquistar mais convertidos, encontrar novas maneiras de divulgar nossas notícias e pontos de vista e aumentar o calor. Eu faço isso há mais de 25 anos e não tenho intenção de me refrescar, desistir ou calar a boca. Fale por quem não tem voz. Apoie os que falam por você.

E um último item de ação: lembre-se disso em novembro. A urna é uma das plataformas mais poderosas que temos. Usae-a ou perca-a.

Michelle Malkin é apresentadora de “Michelle Malkin Investigates” no site CRTV.com. Seu endereço de e-mail é writemalkin@gmail.com. Para saber mais sobre Michelle Malkin e ler os recursos de outros escritores e cartunistas do Creators Syndicate, visite a página do Creators Syndicate em www.creators.com.