O título, e o posicionamento em favor do erro, por parte da imprensa, me lembrou uma letra de Fagner:

Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
Palavras amenas
Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abraço
Da própria canduraGuerreiros são pessoas
São fortes, são frágeis
Guerreiros são meninos
No fundo do peito
Precisam de um descanso
Precisam de um remanso
Precisam de um sonho
Que os tornem refeitos

É triste ver este homem
Guerreiro menino
Com a barra de seu tempo
Por sobre seus ombros
Eu vejo que ele berra
Eu vejo que ele sangra
A dor que traz no peito
Pois ama e ama

Um homem se humilha
Se castram seu sonho
Seu sonho é sua vida
E a vida é trabalho
E sem o seu trabalho
Um homem não tem honra
E sem a sua honra
Se morre, se mata
Não dá pra ser feliz
Não dá pra ser feliz

Aula de Fake News

A maioria das pessoas limita-se a ler as manchetes, por isso a informação de que se trata de uma quadrilha fica ‘escondida’ no texto. O adjetivo ‘suposto’ minimiza a carga negativa da palavra quadrilha, ao mesmo tempo em que reforça a imagem negativa que a imprensa em geral constrói da polícia. Por fim a ‘Rota’ não é conhecida por todos, seria mais informativo substituir por ‘polícia’ no caso de não informar do que se trata.