Deputada Muçulmana, para Destruir por Dentro os EUA.

Por Editorial
“Algumas pessoas fizeram alguma coisa”

https://www.facebook.com/groups/194505057972548/permalink/476391733117211/?__xts__%5B0%5D=68.ARDlqwVGtqTSbYWP_aoI5NWbz9hZVbJ_XYtTblBEFu-kpDrYa9x0t5QpqALjc4DnNbgBrB6x8HWm3kAY7FANaSP3cCIb2aRxHGBvGwq-440xS_stteMipdV3qunqRjenutC4ZeVqhx8EjRrU7YHSK2pRpHlUUMa2ri3gHdJRt5Cqd3K1wMmoXyXuWFDVFWiC9jz7k6W_Ho4pliYr5qwdifSOiSK8dw9zedSw3qFx4DGwJjlx0ziot2AFmYS1YhLG_R3ueMqecX6ydtxDVfZm2bFOHb4InH2PAALJoxWRVxu0PPv3Kp4eHi3wIpFuFffiaAJEsGj1hizPmp5HLiEy&__tn__=H-R

A deputada norte-americana Ilhan Omar descreveu o 11 de setembro como “algumas pessoas fizeram alguma coisa”. Assim como ela transformou o seu próprio anti-semitismo em uma vitória para os muçulmanos, alegando , falsamente, que sua resolução foi a primeira vez em que o Congresso condenou o fanatismo anti-muçulmano), Omar inverteu o terror cometido contra os americanos pelos muçulmanos em nome do Islã em um ataque ao Islã pelo povo americano. Em seu relato, os muçulmanos foram as vítimas reais do 11 de setembro porque, segundo ela, seus direitos foram violados depois.

Um dos temas centrais da esquerda é que os grupos “oprimidos” ou “subalternos” não têm agência; eles são apenas vítimas.

É assim que Omar se aproxima do terror islâmico radical: em 2013, por exemplo, ela  afirmou que o terror do grupo somali al-Shabaab foi uma reação ao “envolvimento nos negócios de outras pessoas” dos EUA.

Os muçulmanos, para Omar, são impotentes para se questionar criticamente, ou para melhorar sua situação. Não é uma visão compartilhada por todos os muçulmanos, mas prejudica os muçulmanos como um todo.

Trump respondeu à inversão de Omar com um vídeo do ataque de 11/09. O presidente dos democratas, Tom Perez, reagiu ao vídeo d, afirmando que Trump deseja “distrair as pessoas” e “falar sobre um ou dois membros”do Congresso”.

Um candidato de esquerda à presidência, O’Rourke disse sobre o vídeo: “Este é um incitamento à violência contra a congressista Omar, contra nossos compatriotas que são muçulmanos”.