Cartéis Mexicanos estão Vencendo a Guerra da Propaganda

Por Editorial

Por Jaeson Jones. Leia o artigo completo no Breitbart.

Embora normalmente passe despercebido, muitos cartéis mexicanos gerenciam suas organizações completamente como grandes corporações com departamentos de contabilidade, jurídico e relações públicas. É comum os membros se referirem a seus grupos como “empresas”.

Meios de comunicação

As células dedicadas à propaganda trafegam sob todas as formas de divulgação, nas novas e antigas mídias. Colocam faixas em prédios governamentais, pontes, viadutos e monumentos.Por exemplo, jogaram panfletos de um avião antes de uma invasão militar. Também usam as mídias sociais para disseminar imagens gráficas de tortura e chamar a atenção de jornalistas internacionais. Toda mensagem é projetada para ameaçar rivais, defender suas ações ou até promover boas ações em benefício da população civil que vive em seu território.

O trabalho dos jornalistas no México é um dos mais perigosos do mundo. Em 2019, foram documentados quase 250 casos de violência direcionados ao pessoal da mídia no país. Repórteres investigativos dispostos a investigar carteis e conexões com o governo estão particularmente em risco.

Muitas redações mexicanas estão comprometidas a ponto de uma célula em particular estar em contato constante para atuar, na verdade, como um editor de tarefas, decidindo quais histórias desagradáveis ​​não serão publicadas versus itens que fazem com que os rivais pareçam ruins aos olhos do público. Falhar em cooperar significa, frequentemente, morte.

Nas ruas

Os cartéis são ousados ​​em seus esforços para proteger os corações, mentes e especialmente os estômagos daqueles que vivem vidas pobres ao seu redor. Durante os principais feriadoss, pistoleiros de cartéis depõem armas em praças públicas para distribuir brinquedos ou alimentos como se fossem a Cruz Vermelha. Recentemente, o Cartel Jalisco New Generation (CJNG) publicou um vídeo distribuindo alimentos para os pobres. Em Tamaulipas, o Cartel do Golfo distribui, anualmente, presentes de Natal perto da fronteira com o Texas. Os pistoleiros até conseguem usar estações de rádio locais para promover seus atos de caridade. Durante o furacão Ingrid, em 2013, comboios de veículos foram usados ​​para distribuir toneladas de alimentos e suprimentos.

Memes e Memes

A cultura popular também é alavancada direta e indiretamente para idealizar o estilo de vida do cartel. A música folclórica apelidada de “narco-corridos” promove bravura, riqueza e sexo em torno dos traficantes. Grupos até destacam cantores elogiando uma facção rival pela morte. Um videoclipe enviado ao YouTube em 2013 promove o Cartel de Sinaloa, misturando cenas encenadas e reais de sicarios.
Homens armados podem até se envolver em desafios de vídeos de dança viral com equipamento tático completo.

traficante participando de desafio de vídeo de dança

Protestos e ‘direitos humanos’

O crime organizado mexicano também pode exercer influência sobre organismos internacionais como as Nações Unidas. A facção do Cartel del Noreste (CDN) de Los Zetas trabalhou para provocar indignação contra as autoridades, quando membros do alto escalão foram alvos de prisão. Algumas dh_i8k4fx são ousadas o suficiente para cooperar com grupos de “direitos humanos” para disseminar as teorias da conspiração contra os governos locais. Em maio de 2018, a ONU emitiu acusações contra autoridades federais, sugerindo que estavam sequestrando membros da CDN.

Advogados e porta-vozes

Os cartéis se sentem à vontade usando advogados para fins públicos. Nenhum cartel está completo sem um advogado.

Após a prisão e a abrupta libertação do notório filho de El Chapo, vários advogados no México e nos Estados Unidos foram destacados paracontrolar os danos. Eles deram entrevistas coletivas para elogiar as ações do Presidente Andrés Manuel Lopez Obrador (AMLO). Eles também se parabenizaram por suas obras públicas em nome do povo mexicano. Um porta-voz chegou a explicar os planos do Cartel de Sinaloa de construir uma universidade, convidando a AMLO a participar do lançamento da pedra fundamental com a mãe de El Chapo. Os advogados também traçaram uma linha entre a decisão do governo da AMLO de liberar o “Chapito” enquanto condenavam os policiais que firam responsáveis ​​pela prisão.

Dias depois, o Cartel de Sinaloa divulgou um pedido de desculpas público que, entretanto, colocava grande parte da culpa nas forças federais por provocarem terror no estado. Eles continuam agradecendo à AMLO por libertarem seu líder e incentivaram as autoridades a “assumirem suas responsabilidades como assumimos as nossas”.

Os cartéis mexicanos estão aperfeiçoando a arte da persuasão moderna ameaçando rivais com violência comprovada, enquanto, ao mesmo tempo, sugerem que essas ações são de interesse público. Suas mensagens podem aparecer de um viaduto durante a viagem matinal e em um feed do Twitter antes de apagar a luz para dormir. Sua influência é vista no jornal local e em um seletor de FM. Quando inocentes são objetivamente aterrorizados ou prejudicados, segue-se uma equipe de limpeza com reparadores e gestos de caridade. Enquanto essas medidas sofisticadas não forem entendidas e confrontadas em uma escala crítica, o controle do cartel continuará a se expandir, inabalável.

Jaeson Jones é capitão aposentado da Divisão de Inteligência e Contraterrorismo do Departamento de Segurança Pública do Texas e colaborador do Breitbart Texas. Enquanto rv de serviço, ele gerenciou as operações diárias do Texas Rangers Border Security Operations Center.