À direita, Beto O’Rourke, com a esposa e filhos, na cerimônia de juramento como senador. em 2017.

Por Ryan Saavedra. Leia o artigo completo no Daily Wire.


Um jornalista decidira escrever sobre o grupo de hackers, que ele considera “o mais interessante e influente grupo hacker da história”. Ao investigar o grupo “Culto da Vaca Morta”, Joseph Menn descobriu que um senador fazia parte dele.

Entretanto, ele segurou a história por dois anos. Depois de mais de um ano de reportagem, Menn persuadiu Beto O’Rourke, democrata, a dar entrevista. A Reuters informou que “no final de 2017, O’Rourke reconheceu ser um membro do grupo, no entendimento de que a informação só seria divulgada depois de sua disputa ao Senado, em novembro de 2018.”

O artigo, que documenta o envolvimento de O’Rourke no grupo de hackers, e incluiu vários escritos antigos de O’Rourke, alguns dos quais descritos como “perturbadores”. Alguns deles foram descobertos em um fórum de discussão on-line, que ele iniciara, chamado “TacoLand”.

Uma parte especialmente perturbadora do texto de O’Rourke, de quando ele tinha 15 anos, é quando ele descreveu atropelar crianças em um carro. Da Reuters :

“Um dia, quando estava voltando para casa do trabalho, notei duas crianças atravessando a rua. Elas estavam felizes, felizes por estarem livres de seus problemas. Essa felicidade era minha por direito. Eu a tinha conquistado em meus sonhos.

“Quando me aproximei dos jovens, coloquei todo o meu peso no pé direito, mantendo o pedal do acelerador no chão até ouvir o som das duas crianças batendo no capô, e depois o grito agudo de dor de um dos dois. Fiquei tão fascinado por um momento que, depois de parar meu veículo, fiquei atordoado, visões doces enchendo minha cabeça.

O Yahoo também relatou mais antigos escritos de O’Rourke: “Versões arquivadas de escritos atribuídos ao apelido de O’Rourke, ‘Guerreiro Psicodélico’, incluem uma em que ele criticou algumas mulheres como sendo ‘vadias’, zombou delas por terem ‘namorados violentos’, e sugeriu que uma maneira de lidar com essas mulheres era chamá-las de ‘completamente feias’, ou informar ‘Nazi Skins em sua área ‘que elas tinham ‘AIDS’.”;

Cartum de Jake Fuller.