Por Charlie Nash, no Breitbart.

O Google recebeu mais de 2,4 milhões de pedidos de europeus que estão exercendo seu “direito de ser esquecidos” da Internet, de acordo com um relatório.

Na sequência de uma lei de 2014, promulgada na União Europeia (UE), as pessoas e as empresas têm o direito de ser removidas dos motores de busca, como o Google, se os resultados forem considerados “imprecisos, inadequados, irrelevantes ou excessivos” e  não tiverem interesse público significativo.

Os norte-americanos, por sua vez, não têm o “direito de ser esquecidos”.

De acordo com o New York Post , “a maioria dos pedidos veio de desconhecidos que desejam que informações confidenciais – como seu endereço residencial ou fotos pessoais ou vídeos – sejam removidos de qualquer resultado de pesquisa do Google”, no entanto, havia também “41,213 pedidos de celebridades e 33,937 pedidos de políticos”.

“O Google observou que 39,7 por cento dos pedidos de exclusão foram feitos no primeiro ano da lei – com 24,9 por cento no segundo ano e 22 por cento no terceiro ano.”

“Aproximadamente um terço dos pedidos dizia respeito à remoção de informações pessoais de sites de redes sociais e diretórios, enquanto um quinto dos pedidos era para remover o histórico legal de um solicitante.”

O Reino Unido planeja fortalecer as leis do direito de sua nação “de ser esquecida” após a sua saída da União Européia, estendendo a lei para que as empresas de redes sociais tenham que “excluir informações pessoais mediante solicitação”.